Boi Garantido vira espetáculo de grupo de dança da Universidade Federal do Ceará

As belezas do festival de Parintins vão ser mostradas em forma de dança pelo grupo Oré Anacã, projeto de cultura e arte da Universidade Federal do Ceará (UFC), no espetáculo batizado “Parintins em Festa”, que vai ser apresentado no domingo (9), com transmissão ao vivo pelo Portal Ispia (@portalispia), tanto na fanpage do Facebook como no perfil do Instagram.

“Há dez anos pesquiso os Bois de Parintins. Já fui a três festivais. Nosso grupo se dispôs, há seis anos, a montar um espetáculo tematizando Parintins, e finalmente iremos apresentar o resultado do trabalho no próximo domingo”, explica do diretor do espetáculo e coordenador do grupo, Marcos Campos. Ele diz que os componentes do Oré Anacã são “apaixonados” pelos bois de Parintins o que torna o clima de rivalidade entre amantes do Garantido e os do boi contrário tão acirrado que causa “mesma zoeira que tem aí”.

O espetáculo levará ao palco da Concha Acústica da UFC, em Fortaleza (CE), 14 coreografias que trazem “essas personagens e histórias que ajudam a compor o universo bovino, numa construção que hibridiza o contexto da própria manifestação, numa profusão de detalhes que capta a magia que emociona todo ano as galeras vermelha e azul, exaltando a miscigenação amazônica”, conforme explica o portfólio do espetáculo. As coreografias se dividem entre toadas do Garantido e do boi contrário. O espetáculo está previsto para começar às 17h (horário de Brasília).

Boi Garantido vira espetáculo de grupo de dança da Universidade Federal do Ceará

ROTEIRO DO ESPETÁCULO – Coreografias:

Pachamama
Exaltação ao Garantido
Exaltação ao Boi Contrário*
Lenda Indígena
Bailado Corrido
Vaqueiro
Sinhazinha da Fazenda
Porta Estandarte
Rainha do Folclore
Cunhã Poranga
Pajé
Chamamento das Tribos
Celebração da Fé
Galera

*nome do boi contrário substituído pelo editor

Sobre o Grupo:

* Oré Anacã – Grupo de Dança Popular da UFC*

“Oré Anacã”, nome cunhado a partir da língua tupi, significa “Nossa Dança”, tendo na sua origem etimológica a essência do trabalho, ou seja, apresentar produtos artísticos a partir da nossa forma de dançar a cultura popular. As danças tradicionais brasileiras, com várias nuances, personagens, ritmos e gestualidades, apresentam-se como matéria-prima de inspiração, compondo um repertório gigantesco de possibilidades, dentre as quais escolhemos algumas para desenvolver nossa produção artística.

Neste sentido, estamos no sétimo ano de atividades e finalizando dois projetos: o espetáculo “Parintins em Festa” e o programa de extensão “Entre Penas e Contas”. Cerca de 30 coreografias fazem parte do nosso conjunto coreográfico. O grupo, dentre outros eventos, já participou de três edições do Festival UFC de Cultura, três edições do Festival Internacional de Folclore do Ceará e de quatro edições do Festival Nacional Universitário de Danças Populares.

Composto por cerca de 30 dançarinos, prioritariamente alunos dos diversos cursos da UFC, o Oré Anacã busca homenagear a cultura dançante do povo, sabendo que sua produção é apenas um recorte artístico que está muito aquém da enormidade dos folguedos tradicionais existentes. A partir da nossa dança, encontramos um meio de sermos brincantes nos palcos da vida, caminhando e dialogando também com os brincantes dos terreiros, ladeiras, salões e ruas do Brasil.

Clique aqui para acessar a Fanpage do Oré Anacã.

Texto: Arnoldo Santos

Com trechos do Portfólio divulgado pelo Grupo

Fotos: divulgação

Comentários