Parintins Notícias
Notícias de Parintins

Conselho Estadual de Educação conceitua curso de Medicina da UEA com nota 4,43

Avaliação reconhece compromisso da UEA com qualidade de ensino e pesquisa ofertada aos estudantes

Corpo docente qualificado, investimentos em infraestrutura e foco na formação de profissionais de excelência são alguns dos indicadores que contribuíram para que o curso de Medicina da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) fosse conceituado com a nota 4,43 pelo Conselho Estadual de Educação do Amazonas (CEE-AM), em uma escala avaliativa de 1 a 5. A pontuação elevada, divulgada por meio da Resolução n° 139/2022 do colegiado, reconhece o compromisso da UEA com a qualidade de ensino e pesquisa ofertada aos estudantes.

Durante a avaliação, são analisadas três diferentes áreas do curso: a infraestrutura, o corpo docente e o projeto pedagógico. O corpo docente corresponde a 40% da avaliação, sendo verificados critérios como o tempo de experiência na docência, a aptidão multidisciplinar, produção científica, a capacitação e o apoio aos professores. Atualmente, o curso conta com 64 doutores, 51 mestres e 35 especialistas.

Segundo o reitor da UEA, André Zogahib, o objetivo da universidade é capacitar profissionais com conhecimento e habilidade técnica e humana. Ele afirma que a boa avaliação é importante, pois proporciona maior procura da instituição por parte dos alunos.

O Conselho destina 30% da avaliação aos critérios de infraestrutura. O curso conta com 22 salas de aula, 2 auditórios e 17 laboratórios na Escola Superior de Ciências da Saúde (ESA/UEA). Entre os laboratórios disponíveis para a comunidade acadêmica estão os de Anatomia, Bioquímica, Farmacologia, Fisiologia, Genética, Patologia e Técnica Cirúrgica.

Além disso, o curso conta com uma estrutura de instituições conveniadas, onde são realizadas atividades práticas, como o internato.

Outros 30% dos indicadores avaliados são referentes ao projeto pedagógico do curso, que trata da estrutura curricular e distribuição das disciplinas e atividades de ensino. O Núcleo Docente Estruturante (NDE) do curso de Medicina da UEA, que tem como atribuição o acompanhamento e a concepção do projeto pedagógico, conta com a participação de 15 professores doutores, o que corresponde à metade da composição do Núcleo.

O coordenador do curso de Medicina da UEA, Domingos Sávio, ressalta que o corpo discente é formado por alunos de diferentes regiões do estado, indígenas e pessoas com deficiência (PcDs), um fato que reforça o caráter de inclusão social e diversidade do curso.

Acesso expandido ao conhecimento
Ao conceituar a infraestrutura disponibilizada pelo curso, o Sistema Integrado de Bibliotecas (SIB/UEA) também foi avaliado e contribuiu para que o resultado alcançado fosse positivo. A biblioteca da Escola Superior de Ciências da Saúde conta, atualmente, com um moderno sistema de autoatendimento e espaços amplos para estudos individuais e em grupo.

Como forma de investir na expansão do conhecimento, no dia 13 de julho, a gestão da UEA, tendo à frente o reitor André Zogahib, entregou 339 novos livros ao acervo da biblioteca da unidade, com temas voltados, especialmente, para o estudo da Medicina, contemplando disciplinas como Anestesiologia, Radiologia, Anatomia, entre outros.

Entre as ferramentas disponíveis aos alunos está o sistema Proquest, uma base de dados que permite ao usuário consultas off-line a materiais como livros, periódicos e revistas relacionados a sua área de estudo. Recentemente, a UEA disponibilizou o UpToDate, uma plataforma na qual docentes e acadêmicos podem pesquisar recomendações de questões voltadas à prática clínica.

Sobre o curso
Criado em 2001, o curso de Medicina da UEA concedeu grau à primeira turma em 8 de novembro de 2007. Desde então, a universidade formou 1.652 médicos. Atualmente, a UEA conta com 893 alunos matriculados no curso e oferta, a cada semestre, novas 60 vagas por meio do Vestibular e Sistema de Ingresso Seriado (SIS).

O objetivo do curso é formar o médico generalista, com capacitação humanista, crítica e reflexiva, para atuar no processo de saúde-doença em seus diferentes níveis de atenção, com ações de prevenção, recuperação e reabilitação à saúde, com senso de responsabilidade social e compromisso com a cidadania.

FOTO: Daniel Brito/Ascom UEA

-publicidade-