Parintins Notícias
Notícias de Parintins

Histórias de gratidão e resiliência reforçam importância da doação de órgãos

Celebrado em 27 de setembro, Dia Nacional do Doador de Órgãos marca gesto de generosidade que pode salvar milhares de pessoas

A vida do educador físico Paulo Collares sofreu uma reviravolta em 1984. Diagnosticado com doença renal, começou a fazer hemodiálise três vezes por semana durante 1 ano e 1 mês enquanto nutria a esperança de receber um rim. Em 5 de novembro de 1985, o momento que ele tanto aguardava finalmente chegou e Paulo recebeu um rim do irmão. Naquele momento, ele renasceu: voltou a trabalhar, a ser produtivo e a jogar tênis, esporte praticado por sua família.

“Após o transplante, a gente começa a notar uma mudança muito grande. A gente passa a ver a vida de outra maneira, é como se nascêssemos novamente. Recomecei meu trabalho, tive filhos, isso é muito gratificante. Nós podemos praticar esportes, dar valor às coisas simples que, em alguns momentos, a gente não percebe. Se a pessoa for favorável à doação de órgãos, deve avisar a família porque isso salvará muitas pessoas. Acredito que uma campanha de conscientização sobre doação de órgãos pode salvar muitas vidas. Nasci de novo no dia 5 de novembro de 1985”, relata Paulo, que participou dos Jogos Brasileiros para Transplantados deste ano e irá comemorar 37 anos como transplantado em novembro. No Dia Nacional do Doador de Órgãos, celebrado em 27 de setembro, sua história é apenas uma dentre milhares que exemplificam como a doação de órgãos transforma vidas.

O engenheiro e vice-presidente da Associação Brasileira de Transplantados (ABTx), Haroldo Costa, também renasceu graças à doação de órgãos. Ele descobriu que tinha problemas renais durante a graduação e começou a fazer hemodiálise quando estava formado e inserido no mercado de trabalho. Logo no início do tratamento, seus irmãos se ofereceram para doar um rim. Haroldo recebeu o órgão que deu um novo sabor à sua existência em 1997 e, inspirado pelo jogador de tênis Gustavo Kuerten (Guga), começou a praticar a modalidade e tornou-se um atleta: “Aquilo parecia o fim do mundo pra mim, a vida deu uma guinada muito grande. Fiz o transplante, voltei a trabalhar, tive filhos. O que parecia muito ruim tornou-se algo positivo no final porque, a partir do transplante, me tornei um atleta mundial representando o Brasil em competições internacionais”.

Conscientização através do esporte

Haroldo carregou a tocha olímpica no Brasil e também participou dos Jogos Brasileiros para Transplantados. “Depois do transplante, temos uma gratidão muito grande e uma vontade de devolver os presentes que a vida nos deu. Fundamos essa associação [a ABTx] que busca apoiar todas as pessoas transplantadas, mostrar os benefícios do transplante através do esporte e usá-lo para promover a doação de órgãos. Queremos mostrar para quem está na fila do transplante que é possível, mas, para que isso aconteça, as pessoas precisam se tornar doadoras. Um sim salvou minha vida”, ressalta.

“Irmãos de sangue” é o modo utilizado por Carlos Alberto Rezende para se referir à sua relação com seu doador de medula óssea: o agricultor Luiz Eduardo Pereira de Andrade, conhecido como Dudu. Carlos foi diagnosticado com aplasia medular severa e descobriu que só seria curado com um transplante de medula óssea. Dudu decidiu se cadastrar como doador no Redome ao doar sangue com a mãe, mas só descobriu a magnitude do gesto em novembro de 2016, quando doou a medula para Carlos. O encontro deles resultou em uma relação pautada na fraternidade. “É uma felicidade gigante saber que você está salvando a vida de alguém. É muito tranquilo, simples, não existe medo nenhum. Se eu pudesse doar mil vezes, doaria. A gente aprende uma lição nova, dá um valor maior à vida. Quando você salva uma pessoa, salva uma família inteira. Ele se tornou primeiro um amigo, depois foi se tornando um irmão, hoje é como se fosse um pai pra mim”, observa Dudu.

O elo construído pela doação transcende o procedimento cirúrgico e ambos já participaram de vários desafios esportivos propostos por Carlos. Correram juntos a São Silvestre, fizeram uma meia maratona, pedalaram até o hospital onde foi realizado o transplante. “No leito do hospital, vi algumas reportagens sobre o esporte para transplantados e falei ‘Eu quero isso aí’ Até o dia do meu diagnóstico, eu era um fumante. Fui fumante por mais de 30 anos, fazia esporte de maneira corriqueira. Intensifiquei as ações, voltei para a atividade física de forma mais intensa, sempre com orientação física. Em 2017, fiz minha primeira São Silvestre, vim para o time brasileiro de atletas transplantados. O esporte faz parte da rotina diária e fui arrumando desafios”, conta Carlos.

“Nossa relação de parentesco é tão gigante que o sangue que circula no meu corpo é igual ao sangue que circula no corpo de um indiano, de um chinês, de um americano, de um alemão. Isso é um parentesco biológico evidente. Esse produto não pode ser produzido artificialmente, você só pode salvar minha vida a partir do momento em que você estende o braço para praticar empatia, que é se colocar no lugar da pessoa que precisa desse pequeno gesto para ser salva. O que é importante? Praticar empatia, ser um doador e foi o que o Dudu fez. Isso mudou minha vida e a dele, hoje caminhamos juntos”, completa.

60 mil pessoas estão na fila de espera por um transplante

Um único doador pode beneficiar até 20 pessoas com o transplante de seus órgãos e tecidos. Dados do Ministério da Saúde apontam que há cerca de 60 mil pessoas na fila de espera por um transplante de órgãos e tecidos no Brasil. São pessoas que lutam contra o tempo para encontrar um doador compatível e ganharem uma nova chance. A Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO) revelou que a pandemia da Covid-19 fez com que o número de procedimentos diminuísse em todo o país. A cada um milhão de pessoas, menos de 20 são doadoras de órgãos, o que aumenta a fila de espera por um transplante.

No primeiro trimestre deste ano, as taxas de doação continuam caindo, revela o Ministério da Saúde. Comparadas com o mesmo período de 2021, houve diminuição nas taxas de doadores (8,6%) e de transplantes de rim (13,8%), fígado (11,5%), coração (12,5%), pulmão (25%), pâncreas (37,5%), córneas (7,1%) e células hematopoiéticas (12,2%). Aos poucos, este cenário começa a mudar, mas ainda há um longo caminho de conscientização pela frente.

Campanha apresenta depoimentos e esclarecimentos sobre transplantes

Diante do cenário de redução do número de transplantes no Brasil e para marcar o mês do setembro verde, dedicado à doação de órgãos, a ABTO, SBTMO (Sociedade Brasileira de Transplante de Medula Óssea) apoiaram a criação de uma campanha de conscientização denominada Quando a Vida se Renova, cujo intuito é estimular a doação de órgãos, desmistificar preconceitos e esclarecer dúvidas relacionadas ao tema. A série documental reúne depoimentos de pacientes transplantados, familiares, doadores, médicos, ONGs e demais envolvidos em todas as etapas do processo de transplantes de órgãos e tecidos. São histórias inspiradoras de pacientes que se reinventaram após receber uma doação e tornaram-se exemplos de superação.

Para conhecer as histórias dos pacientes transplantados, acesse o link da campanha Quando a Vida se Renova. Na página, também é possível esclarecer dúvidas sobre como se tornar um doador de órgãos e tecidos, as instituições responsáveis por cada etapa e como funciona toda a jornada para que um transplante seja realizado com sucesso.

-publicidade-