Mostra Literária e exposição ‘Amazonas Plural’ marcam a reabertura da Usina Chaminé
FOTOS: MICHAEL DANTAS/SEC

Mais de 600 pessoas visitaram o Centro Cultural que passou por reforma no mês de abril.

Com temática indígena, a 2ª Mostra Literária levou mais de 600 pessoas ao Centro Cultural Usina Chaminé, no último domingo (22/04). Na ocasião, também ocorreu a abertura da exposição “Amazonas Plural”, que reúne obras de 89 artistas de Manaus e dos municípios de Novo Airão, Parintins, Itacoatiara e São Gabriel da Cachoeira.

Na mostra, expositores apresentaram e venderam produtos relacionados à cultura indígena, como cocares, brincos, colares, anéis, pulseiras e artesanato. Além disso, os visitantes tiveram a oportunidade de receber pinturas corporais – feitas com henna, jenipapo e urucum – pelas mãos do artista Josué Munduruku, que mostrou sua arte com grafismos indígenas.

O músico José Tikuna também foi um dos expositores que animou o evento com seu talento musical e arte indígena. “Trabalho com uma diversidade de materiais, os quais compro e também fabrico, como cocares, peças com arames e pedras, brincos e, expor esses produtos é uma forma de sustento, quando não estou trabalhando com música”, revelou o expositor.

Intercâmbio – O diretor dos Centros Culturais da Secretaria de Estado de Cultura (SEC), Taciano Soares, destacou que este é um evento que promove o intercâmbio e a aproximação de profissionais indígenas, reforçando a visibilidade e o protagonismo desses povos. “Estabelecemos um marco de todos os meses realizar uma Mostra Literária na Usina Chaminé, pois tivemos um retorno positivo na primeira edição e muitos projetos nasceram a partir desse encontro. Esperamos que isso aconteça também nesta segunda edição, que faz parte da Temporada Indígena da SEC”, afirmou.

A atriz Isabela Catão prestigiou o evento e falou da importância desta iniciativa. “Acredito que estamos vivendo um momento diferente em Manaus e acho muito importante a realização destes eventos, pois movimentam a cidade e faz com que possamos compartilhar experiências, conhecer e admirar o trabalho dos artistas regionais.”

Trabalho Humanitário – A Associação Humanitária dos Venezuelanos Refugiados no Amazonas marcou presença na Mostra, com um estande onde eram vendidos biscoitos feitos por famílias venezuelanas residentes no Estado do Amazonas.

“Fazemos esta ação para ajudar as famílias venezuelanas que vêm para Manaus sem trabalho e basicamente sem nada. Então, além da venda dos biscoitos, também arrecadamos eletrodomésticos, roupas, calçados para serem doados para estas famílias”, contou o presidente da Associação José Alcalá.

Cartoon – Durante a Mostra, foi realizada a oficina de Cartoon e Super-Heróis, com o professor de Desenho do Liceu de Artes e Ofícios Claudio Santoro, Cristoffer Ferreira, que instruiu as crianças a desenhar personagens a partir de formas básicas, como círculos, quadrados e retângulos.

“Ensinei os alunos que não é difícil fazer um desenho cartoon e que com poucos traços é possível desenhar um personagem simples. É algo bem prático e rápido”, explicou o professor.

Os cartunistas Eunuquis, Malika e Romahs fizeram gratuitamente cartoons dos visitantes e também apresentaram suas obras no evento. “Optamos por fazer cartoon, que muitos chamam de caricatura, que não deixa a pessoa feia. As pessoas têm gostado bastante”, comentou Eunuquis.

Música e Poesia – Com letras críticas e uma batida pesada, o grupo de hip-hop Vscrew lançou o álbum “Adaptação”, no palco da Usina Chaminé.

Logo em seguida, o poeta Dori Carvalho encantou o público com seu Recital de Poesia, e finalizando as apresentações da noite, o artista Victor Xamã, junto ao DJ Maq, representaram mais uma vez a cultura hip-hop, apresentando músicas autorais.

Literatura – A Mostra também contou com estandes dos Sebos Edipoara e Art Vinil Manaus, que levaram livros clássicos e regionais e uma coleção de CDs, DVDs e vinis raros.

O escritor Jan Santos também levou duas de suas obras para o evento: “Evangeline – Relatos de um mundo sem luz”, publicada em 2013; e “A Rainha de Maio”, publicada em 2016. “Trabalho com literatura fantástica e a minha proposta é criar histórias a partir de elementos do folclore amazônico”.

Amazonas Plural – A abertura da exposição “Amazonas Plural”, que tem curadoria de Jandr Reis e Turenko Beça, foi um dos destaques na Usina Chaminé neste domingo (22/04).

Reunindo obras de mais de 89 artistas novos e consagrados de Manaus e de munícipios de Novo Airão, Parintins, Itacoatiara e São Gabriel da Cachoeira, o evento foi sucesso de público e mostra o que está sendo realizado no campo das Artes Visuais Tradicional e Urbana no Amazonas.

“É uma grande iniciativa do Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado do Amazonas, fazer com a exposição ‘Amazonas Plural’ se concretize e ofereça oportunidades aos novos talentos das Artes Plásticas. Convidamos uma turma de novos artistas que estão agora expondo suas obras divinamente bem e abrilhantando a exposição e isso faz com que a arte no Amazonas e a cultura em geral cresçam”, salientou o artista plástico e curador, Jandr Reis.

Lúcio Santarém, Igor Viana e Deinerson Silva são alunos de Liceu de Artes e Ofícios – Unidade Parintins, que vieram a Manaus para participar de um intercâmbio cultural com os artistas de “Amazonas Plural”. “Achei muito interessante e vou levar todo esse conhecimento de arte contemporânea, arte urbana e realismo para Parintins”, revelou o estudante Lúcio Santarém.

A exposição conta com obras de artistas plásticos como Óscar Ramos, Sérgio Cardoso, Jair Jacqmont, Arnaldo Garcez; artistas urbanos como Pial, Lobão, Nadja Kristhina, Sueko; os artistas indígenas Duhigó e Dhiani Pa’saro, e a nova geração de artistas plásticos do Amazonas.

“Amazonas Plural” estará aberta para visitação até o dia 20 de julho, de segunda a sábado, das 13h às 17h, e aos domingos, das 11h às 15h, no Centro Cultura Usina Chaminé (Avenida Manaus Moderna, S/N, Centro). A entrada é gratuita

Deixe um comentário