Parintins Notícias
Notícias de Parintins

Prefeitura de Barreirinha contribui com logística de ajuda humanitária para o povo Sateré-Mawé no Rio Andirá

O povo Sateré-Mawé do rio Andirá foi beneficiado com mais de 150 toneladas de alimentos enviados pelo Governo Federal, destinados para a população indígena do município de Barreirinha. A ajuda humanitária operacionalizada pela Fundação Nacional do Índio (Funai) e a Prefeitura de Barreirinha objetivou abastecer as famílias residentes em 62 comunidades indígenas atingidas pelos reflexos da pandemia de Covid-19 em quase dois anos.

Uma balsa carregada com cestas básicas de aproximadamente 22 kg navegou por seis dias e teve o suporte de servidores do Departamento de Assistência ao Índio (DAI) e de secretarias municipais da Prefeitura de Barreirinha durante a distribuição.
O vice-prefeito de Barreirinha, Ridson Barbosa, acompanhou toda a ação no Rio Andirá e destaca a importância de levar assistência necessária aos povos indígenas. “A área indígena é uma região muito atípica, tem aldeias que são muito distantes e isso torna complexo o acesso por via fluvial, ainda mais em locais onde só é possível chegar em embarcações de pequeno porte. Hoje, a Prefeitura, na pessoa do nosso prefeito Glenio Seixas e toda sua equipe, tem feito seu papel, se prontificando com a logística para que essas cestas chegassem até as famílias indígenas, garantindo a segurança alimentar de todos”, comenta.
Vice-prefeito de Barreirinha, Ridson Barbosa, acompanhou a entrega de alimentos ao povo Sateré-Mawé no Rio Andirá
De acordo com o coordenador da Funai, Sérgio Butel, a tarefa exigiu um planejamento cuidadoso com relação aos protocolos sanitários antes e durante o repasse das cestas básicas. Para ele, a parceria com a Prefeitura de Barreirinha foi fundamental para o sucesso da ação. “Temos certeza que isso significa um alento muito grande nas questões referentes aos riscos alimentares dos indígenas. Sem a logística cedida pela Prefeitura de Barreirinha seria quase impossível que a grande carga chegasse até a área indígena”, conclui.
Durante os meses mais críticos da pandemia, a população indígena ficou totalmente isolada e poucas pessoas tinham autorização para fazer o fluxo entre zona urbana e as aldeias para realizar o abastecimento, principalmente, de alimentos, que quase ficou comprometido. O tuxaua da Aldeia Conceição, Inácio Paes, demonstrou satisfação no recebimento das cestas básicas. “É uma alegria muito grande para mim e meu povo receber as cestas, pois é nesse período que nós começamos a abrir novos roçados. O meu povo já esperava a chegada desses alimentos para garantir a alimentação”, destaca.
A ação de entrega das cestas com gêneros alimentícios não perecíveis está sendo coordenada pelo DAI, e teve começo no final de julho, contemplando os indígenas residentes nos bairros de Barreirinha.
você pode gostar também
Comentários
Loading...