Tião Teixeira luta por reordenamento de comunidades em áreas de riscos na Vila Amazônia

Tião Teixeira luta por reordenamento de comunidades em áreas de riscos na Vila Amazônia

Após constatar in loco o avanço de erosões em áreas rurais das regiões do Laguinho, Murituba e Valéria, o vereador Tião Teixeira (PTB) solicitou ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) reordenamento territorial das comunidades ameaçadas por voçorocas, no Projeto de Assentamento Gleba de Vila Amazônia. Na propositura aprovada por unanimidade na Câmara Municipal de Parintins, na sessão desta segunda-feira, 03 de setembro, o parlamentar sugere à Superintendência do Incra trabalho técnico de levantamento da problemática.

Tião Teixeira afirmou que os deslizamentos de terras provocados pelo fenômeno geológico têm preocupado os moradores de algumas comunidades rurais como Santíssima Trindade do Laguinho, Santa Maria do Murituba, e São Paulo da Valéria. “As vidas dos comunitários são ameaçadas constatemente pelo avanço da erosão de encostas. Em Santíssima Trindade do Laguinho, por exemplo, a voçoroca destruiu há alguns anos o poço artesiano construído pelo Incra que atendia os comunitários que hoje passam dificuldades com relação ao desabastecimento de água” mencionou.

Ainda referente ao Laguinho, por conta da erosão crescente, o vereador citou também consequências como assoreamento do lago que serve de fonte de captação de água para famílias das comunidades da região. Em visita parlamentar, Tião Teixeira verificou que a comunidade Santíssima Trindade está em área de risco, onde algumas famílias descem uma ladeira muito íngrime para contornar uma grande cratera e captar água do lago, de onde carregam em baldes nas costas.

Porém, de acordo o vereador, a situação se agrava no verão, quando o Laguinho fica raso, geralmente a partir do mês de setembro até janeiro, e a lama predomina na água. “Os moradores abrem cacimbas nas cabeceiras do lago, pois é o único meio de captação de água para matar a sede e preparar os alimentos. A carência de poços artesianos ou falta de manutenção causa a causa da escassez de água, restando como opções as fontes nas grutas ou no lago”, certificou.

Murituba e Valéria

Tião Teixeira alertou que a comunidade Santa Maria do Murituba é ameaçada de ser ‘devorada’ pela erosão. Ele chamou atenção para outro problema em que moradores migraram para lotes centrais do assentamento da Gleba Vila Amazônia e as casas abandonadas foram ocupadas por uma nova formação: o núcleo Santo Expedito. “Nesse caso, o isolamento da área se faz necessário com urgência para evitar uma tragédia. O Incra precisa tomar uma providência para remover a comunidade e apontar um local seguro”, apontou.

Já em São Paulo da Valéria, o vereador se disse preocupado com a iminência de deslizamentos de terras, com rochas de todas as proporções que descem da serra de Parintins. “Esse problema tira o sono das 36 famílias residentes na comunidade, que é porto turístico durante a temporada de navios de cruzeiros internacionais na Amazônia. Em todos esses casos citados, somente o Incra pode tomar uma decisão definitiva com um trabalho de reordenamento territorial das comunidades em áreas de riscos”, acrescentou.

Texto: Gerlean Brasil | Assessor parlamentar
Foto: Felipe Brunner

Deixe um comentário