Caprichoso inaugura centro de costura no galpão em homenagem a Ray Góes
Foto: Glenda Dinely

Homenageada se sentiu emocionada ao falar do amor ao Caprichoso e considerou o momento como um presente de aniversário de 70 anos.

A inauguração do Centro de Costura “Ray Góes”, no complexo do galpão central de alegorias, marcou o início da “Semana Azul” do Boi-Bumbá Caprichoso, na tarde desta segunda-feira, 16 de abril. Familiares da homenageada, diretores, coordenadores, artistas e as costureiras do boi campeão do Festival Folclórico de Parintins estiveram presentes no evento. O centro, mais uma obra concretizada pelo presidente Babá Tupinambá, é um espaço climatizado para oferecer mais conforto, comodidade e dignidade às costureiras azuladas durante o trabalho de confecção dos figurinos dos projetos de arena.

Durante a inauguração, tomada de surpresa, a homenageada se sentiu orgulhosa em receber do Boi Caprichoso, o que considerou ser o maior presente de aniversário de 70 anos, por ter dedicado sete anos da vida à confecção de peças de figurinos e ajudado a conquistar títulos. Devota de Nossa Senhora do Carmo, nasceu em 1948, filha de Humberto Rocha Brandão e Maria Francelina Simas Brandão. Esposa do saudoso ex-presidente do boi contrário, Raul Góes Filho, é mãe de Stanley, Larissa, Kassandra e Chiara. Ray Góes confecciona o manto de Nossa Senhora do Carmo.

O presidente azulado disse da satisfação em fazer ‘pequenas obras’ no Boi Caprichoso que vão fazer um grande diferencial na vida dos colaboradores. “Ano passado, quando assumimos o boi, eu acompanhei de perto as dificuldades que as costureiras passaram aqui, seja pelo calor e pela escuridão do local. Adequamos um local para as costureiras. Fizemos um esforço tremendo, apesar de todas as dificuldades, para olhar a todos os setores do boi com mais carinho. Sempre procuro fazer o melhor pelo Boi Caprichoso e pelas pessoas que trabalham aqui”, descreveu Babá.

O coordenador do Conselho de Artes, Ericky Nakanome, considerou ser um momento de felicidade, por ser um artista oriundo do ateliê e nunca ter visto um presidente olhar com carinho para as pessoas que constroem o boi manualmente. “Com muito esforço, o presidente Babá e sua diretoria trazem o conforto às pessoas que fazem o boi de arena. As costureiras já ficaram realocadas em vários lugares em outros anos e aqui todos nós sentimos a temperatura de trabalhar o dia inteiro. Quando se trabalha com conforto melhor, você produz com mais qualidade”, destacou.

Momento surpresa

Sócia azulada e apaixonada pelo Caprichoso, Ray Góes, esposa do saudoso ex-presidente do boi contrário, Raul Góes Filho, só soube da homenagem no momento da inauguração. Ela não imaginava a surpresa preparada pela diretoria e Conselho de Artes do Boi Caprichoso com o nome do centro de costura, quando o apresentador Edmundo Oran fez o anúncio oficial. “Sei que não é fácil ser costureira, ser artesã. A gente trabalha mais por por amor do que pelo lado financeiro. Vocês me pegaram de surpresa, mas minha estrela é grande”, frisou, com lágrimas no rosto.

Ao citar conhecer a realidade de cada pessoa que se dedica ao boi, Ray Góes afirmou a importância do trabalho coletivo. “Todos nós damos nosso sangue, nossa alma e nosso amor. Tenho certeza que todos sentem a mesma coisa que eu sinto. Na hora que entra um trabalho na arena, a gente não acredita que aquele está ali em evolução. É aquela alegria, aquele arrepio, aquela emoção. A gente nem acredita que foi a gente que confeccionou. É um conjunto. Uma pessoa só não faz nada. Temos que ser justos com uma pessoa que enfia uma agulha para nós”, ponderou.

Deixe um comentário