Com experimentos nos estudos de Química e Física, alunos produzem perfume em sala de aula

Muito comercializado na indústria de cosméticos, o perfume é usado por grande parte das pessoas e pode até marcar a vida delas, fazendo reviver emoções, pessoas e lugares. Agora, já imaginou aprender o processo de produção de um perfume? Essa foi a experiência que o professor Roberth José Pereira Fernandes colocou em prática entre seus alunos do Ensino Médio, ao utilizar o processo de extração de essências naturais para a produção de perfume como didática nas aulas de Química e Física.

O experimento fez parte de projeto desenvolvido com estudantes do 1º ao 3º ano do Ensino Médio da Escola Estadual de Tempo Integral Profª Lecita Fonseca Ramos, localizada no bairro Monte das Oliveiras, zona norte de Manaus. A iniciativa contou com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), por meio do Programa Ciência na Escola (PCE).

O professor destaca que a proposta foi a de contextualizar os conteúdos ministrados dentro de sala de aula, nas disciplinas de Química e Física, por meio da extração de essências das plantas encontradas na horta escolar para a produção de perfumes, utilizando práticas experimentais.

“A iniciativa da produção de perfumes caseiros no laboratório de química com os alunos é uma forma de auxiliar no estudo de temas abordados e estudados na disciplina, como estruturas, misturas, soluções, densidade de uma solução e concentração, essências, visto que também são usados no processo de produção dos perfumes”, conta.

Experiência – No projeto, o professor e os alunos construíram uma espécie de destilador artesanal, feito com materiais alternativos de baixo custo e fácil acesso, como panela de pressão, garrafão PET de 20 litros, cobre e torneiras. Os instrumentos foram utilizados na extração de essências naturais de plantas cultivadas dentro da horta escolar, como capim-limão, capim-cidreira, manjericão, hortelã, dentre outras.

“Foram desenvolvidas técnicas de separação, medição de volume, densidade, concentração e massa de produtos químicos, para a produção dos perfumes, foram feitas a mistura das essências produzidas pelo destilador, e no fim foi feita uma avaliação de verificação dos conhecimentos científicos adquiridos durante o processo e desenvolvimento do projeto”, acrescentou.

Aprendizado – Esta é a segunda vez que Vitória Lima Sampaio, participa de um projeto do PCE. A estudante está no 1° ano e comenta a importância da atividade que alia teoria e prática em sala de aula. “Assuntos ministrados dentro de sala de aula colocados em prática nos estimula bastante. Tive a oportunidade de aprender através da prática na produção de perfume e obter mais conhecimento”, disse.

Paulo Gilberto Viana Junior, do 3° ano, destaca que o projeto proporcionou aprendizado e conhecimento único. “Pude perceber que o projeto me ajudou bastante. Eu, no caso, não tenho dificuldade nas disciplinas de Química e Física, porém a participação do projeto contribuiu ainda mais para o conhecimento dessas matérias. Tirei bom proveito desse experimento, e acho que utilizar o método de aula prática ajuda muito no aprendizado do aluno”, disse.

Ciência na Escola – O Programa Ciência na Escola (PCE) é uma iniciativa da Fapeam, realizada em parceria com a Secretaria de Educação e Desporto, e Secretaria de Municipal de Educação (Semed). O programa visa a participação de professores e alunos do 5º ao 9º ano do Ensino Fundamental, da 1ª a 3ª série do Ensino Médio e suas modalidades: Educação de Jovens e Adultos, Educação Escolar Indígena, Atendimento Educacional Específico e Projeto Avançar, para despertar a vocação científica e incentivar talentos.

FOTO: Érico Xavier

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui