Joseane Mascarenhas
enfermeira Joseane Mascarenhas, chefe da enfermaria do hospital Jofre Cohen

A pandemia do novo coronavírus mexeu fisicamente e emocionalmente com o mundo todo. Profissionais da saúde, que estão na linha de frente de combate à doença acumulam experiência, mas também vivem uma montanha russa de emoções em meio a tanto sofrimento e lágrimas de tristeza e felicidade.

A enfermeira Joseane Mascarenhas é chefe da enfermaria do hospital Jofre Cohen, referência no tratamento da Covid-19 em Parintins. Ela está desde o início da pandemia atuando com pacientes, amigos e familiares. Ela revela que seu trabalho não se limita a atender os pacientes. “Meu papel vai muito além da gestão, como sou enfermeira por formação eu visito os pacientes, eu ligo pra família. Eu crio um vínculo, porque assim a pessoa acaba tendo a confiança e deixando que a gente possa fazer o atendimento correto”, conta.

Para que o tratamento seja mais eficaz, Joseane conta que tenta se aproximar o máximo dos pacientes e familiares. Ela faz vídeo chamadas com a família, liga para os pacientes. “Quando você é da área da saúde, você fica preocupado com o paciente.

Emoção e gratidão

Nos leitos a vida do paciente se resume a lutar por sua vida. O ambiente é frio e a enfermeira afirma que o calor humano é fundamental. “As vezes a gente sabe que o paciente está ali em agonia, em desespero (choro)… e uma palavra amiga, um sorriso, um olhar diferenciado pra aquela pessoa acalma o coração dela”, releva Joseane em meio a lágrimas.

“A partir do momento que você respeita seu semelhante, que você ver Deus no seu semelhantes, você começa a ver as cosias diferentes e você trata as pessoas diferentes”, diz emocionada a profissional que visita todos os dias os leitos com pacientes acometidos por esta terrível doença. Ela se diz abençoada, uma vez que não se infectou, mesmo com todo o contato que ela tem com os doentes.

A cura de um paciente é a melhor resposta. Alívio, satisfação e a enorme sensação de dever cumprido. Joseane conta que não tem nada que pague o olhar, o sorriso e o abraço de gratidão que recebe das famílias e das pessoas curadas. Um gesto que conforta a alma e mostras que toda a dedicação e angústia do tratamento valeu a pena.

“Eu sou muito feliz por estar aqui nesse momento, dando o meu melhor. Sou muito grata pela oportunidade de cuidar do meu povo”, agradece a parintinense que, assim como muitos profissionais da saúde, ajuda a salvar vidas.

Fotos: Joseane Mascarenhas/arquivo pessoal.
Texto: Eldiney Alcântara