Parintins Notícias
Notícias de Parintins

Outubro Rosa: 28% das mulheres não conhecem nenhum sintoma de câncer de mama, diz estudo

Por outro lado, o sinal mais conhecido por elas, relacionado a doença, é o caroço na mama

O mês de outubro está terminando e com ele a campanha Outubro Rosa, mas o que não acaba nunca é a necessidade da conscientização a respeito da prevenção ao câncer de mama. Também conhecida como neoplasia, a doença é caracterizada pelo crescimento de células cancerígenas nessa região e, conforme o Instituto Nacional de Câncer (Inca), é o segundo tumor mais comum entre as mulheres, atrás apenas do câncer de pele, e o primeiro em letalidade.

Nesse cenário, estar atenta ao próprio corpo é fundamental para identificar possíveis mudanças que indiquem que algo está errado, até porque a taxa de cura chega a 95% se a doença é descoberta em estágio inicial. Todavia, segundo constatou o mais recente estudo da Famivita, 28% das mulheres não conhecem nenhum sintoma de câncer de mama. Esse número está presente principalmente entre as mulheres dos 18 aos 24 anos. Por comparação, quando se trata, por exemplo, das mulheres dos 35 aos 39 anos, esse percentual cai para 14% e, ainda mais expressivamente, face às mulheres de 50 anos ou mais, com 11%.

E o sinal de câncer mais conhecido pelas participantes do estudo foi o caroço endurecido, fixo e indolor, dado que 65% delas afirmou estar a par dessa questão. A pesquisa constatou, ainda, que 43% das mulheres não sabem fazer o autoexame das mamas, ou seja, proceder com a observação em frente ao espelho, palpando, de pé, a mama e repetindo, deitada, a palpação.

Outro ponto interessante destacado pelo estudo é que entre as mulheres que estão tentando engravidar, pelo menos 36% não têm ciência sobre como se realiza o autoexame. Por outro lado, 32% das mulheres sem filhos não conhece nenhum sintoma do câncer de mama, comparado com 26% daquelas com filhos.

As informações por estado demonstraram que no Amapá é onde a maioria das entrevistadas sabe fazer o exame das mamas e que as mulheres devem proceder com a mamografia a partir dos 50 anos, a cada dois anos, ou seja que o exame deve virar rotina, conforme preconiza o Inca. No Distrito Federal e em São Paulo, 61% e 62% das participantes, respectivamente, sabem fazer o autoexame das mamas. Já no Rio de Janeiro e em Alagoas, 70% e 69%, respectivamente, afirmaram ter ciência que a mamografia precisa ser feita a partir dos 50 anos.

Falando contra o preconceito

E um artigo científico publicado em setembro na revista Public Health in Pratice, intitulado Does Pink October Really Impact Breast Cancer Screening? (“O Outubro Rosa realmente causa impacto nas mamografias?” – em tradução livre), apontou os resultados da campanha de prevenção ao câncer de mama no Sistema Único de Saúde (SUS). O trabalho revelou que o número de mamografias aumenta em 33% em outubro – e permanece em alta nos meses seguintes (39% em novembro e 22% em dezembro), corroborando que as campanhas deveriam ser mais constantes, especialmente em nosso país, onde 40% dos casos só são diagnosticados em fase já avançada.

É, de fato, muito importante falar sobre o câncer, especialmente se lembrarmos que no Brasil de 20 anos atrás, por exemplo, muita gente nem pronunciava essa palavra, tal era o medo que existia ao redor da doença. Por todo preconceito que envolve a enfermidade, mesmo nos dias atuais, ainda há quem prefira esconder que tem, o que pode atrapalhar bastante o tratamento. Assim, iniciativas como o Outubro Rosa vêm ajudar, trazendo informações de qualidade para desmistificar a doença, afinal a taxa de cura chega a 95% se descoberto em estágio inicial.

-publicidade-