Idam capacita agricultores familiares em curso sobre cultura do abacaxi no Amazonas

O Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (Idam) capacitou 20 agricultores familiares no Careiro da Várzea (a 25 quilômetros de Manaus) com o curso “A cultura do abacaxi no Estado do Amazonas”, realizado no início de dezembro. O município é o segundo maior produtor do fruto do Amazonas. O curso foi uma realização da unidade local do Idam em Manaus em parceria com o Idam no Careiro da Várzea.

A capacitação reuniu 20 agricultores familiares da Associação dos produtores rurais do Ramal das Torres (Asprorat) e foi realizada em uma escola pública no Ramal do Miriti já com estrutura para a realização de cursos. De acordo com a gerente da unidade local do Idam no Careiro da Várzea, Alcelene Salerno, a capacitação ocorreu durante três dias – de 2 a 4 de dezembro – de modo teórico e prático.

“Os agricultores familiares viram no campo alguns problemas de sanidade, de falta de adubação, entre outros, referentes ao cultivo do abacaxi”, detalhou.

O curso foi ministrado pela engenheira agrônoma do Idam, que integra a Gerência de Produção Vegetal (GPV), Silvia Christina de Abreu. Segundo ela, a atividade teve como “objetivo capacitar agricultores sobre os aspectos relacionados à cadeia produtiva do abacaxi, visando implementar melhorias no sistema produtivo da cultura”.

De acordo com dados do Idam, em 2019 o município de Careiro da Várzea produziu 6 milhões de frutos de abacaxi. O primeiro lugar do ranking no estado é de Itacoatiara, onde se destaca o distrito de Novo Remanso, e o município produziu ano passado 69,2 milhões de frutos.

Balanço – A gerente da unidade local de Careiro da Várzea destacou que, atualmente, 55 agricultores familiares produzem abacaxi no município em terra firme, e a produção estimada deste ano até agora é superior a 1,25 milhão de frutos. Além de abacaxi, produzem também hortaliças (como coentro, cebolinha e couve), cheiro-verde, feijão de metro, macaxeira, farinha de mandioca, tucumã (extravistimo) e pupunha (cultivo).

Durante este ano, também, mesmo diante do Covid-19 foram emitidas – entre novas e renovações – cerca de 200 Declarações de Aptidão ao Pronaf (DAP), aproximadamente 600 Cartões do Produtor Primário (CPP). Entre novos documentos e renovações, foi expedida ainda uma média de 70 Cadastros Ambientais Rurais (CAR).

Além disso, segundo Alcelene, durante o ano 12 associações (de terra firme e da várzea) participaram do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), e a previsão é entregar 400 toneladas de alimentos, além de associações e agricultores rurais individuais que participaram do PAA da Sepror com previsão de entrega de 200 toneladas de alimentos.

Entre os itens mais comercializados estão abacaxi, macaxeira, coentro, cebolinha, couve, brócolis (regional), espinafre (regional), feijão-de-metro, maxixe, pepino, abóbora, jerimum de leite, melancia e milho.

FOTO: Divulgação/Idam