Em coletiva de imprensa realizada nesta quinta-feira, 19, no Centro Pastoral Mãe de Deus, a direção do hospital Padre Colombo e a Diocese de Parintins, apresentaram a real situação da unidade hospitalar, que está prestes a fechar devido a falta de recursos, em especial, devido ao encerramento do convênio com o governo do estado do Amazonas.

A coletiva contou com a presença da diretora do hospital, Maria de Jesus Aquino, do bispo diocesano Dom Giuliano Frigenni, o secretário de saúde de Parintins Clerton Rodrigues, advogados das instituições e veículos de imprensa. O principal motivo para a possibilidade do fechamento do hospital é o encerramento do convênio com o governo do estado do Amazonas (SUSAM) em agosto deste ano, verba utilizada para custeio de material hospitalar da ordem de R$ 2.598,44 milhões. De acordo Maria de Jesus, “não tem sido fácil equilibrar as contas do hospital”. A ela afirma que a unidade passa “hoje dificuldade financeira para sustentar os serviços atuais, risco de diminuição do atendimento e até fechar”.

Como não foi renovado o convênio com o governo estadual, o hospital passa por dificuldade. O advogado da Diocese de Parintins, Adson Ribeiro, declara que o hospital sobrevive, unicamente, por conta da verba federal de combate ao novo coronavírus de R$2,7 milhões que vai até dia 27 de novembro. Essa data pode marcar a diminuição no atendimento ou até o fechamento do hospital, caso não se encontre um meio para suprir a falta de recursos.

Para o bispo Dom Giuliano, manter o hospital funcionando regularmente “é possível quando se juntam essas entidades Susam, Semsa e a Diocese”. “Nossa contrapartida é renunciar um faturamento de 30% de quem é atendido, é o hospital gratuitamente”, declarou o bispo.

Segundo Dom Giuliano, o custo maior do hospital é o profissional de saúde e que é preciso manter esse trabalhador. “O desejo nosso é de permitir as pesssoas que trabalham lá sejam contratadas e respeitadas”, destacou. Ele informou que esta semana haverá uma reunião entre o governador Wilson Lima e o prefeito de Parintins Bi Garcia para discutir sobre o hospital.

A prefeitura de Parintins se mostrou a favor de manter o contrato com a Diocese para manutenção e funcionamento do hospital Padre Colombo. “Temos interesse sim em manter o convênio”, disse o secretário de saúde de Parintins, Clerton Rodrigues. Ele confirmou que o prefeito Bi Garcia viajou a Manaus para encontro com autoridades do estado para definir medidas que possam solucionar o problema do hospital

A prefeitura de Parintins faz o repasse mensal ao hospital Padre Colombo de $ 264 mil. O governo do estado do Amazonas mantinha convênio anual em quatro parcelas de R$ 649,610 mil cada. Este ano o hospital também recebeu R$ 2,7 mil de verba federal emergencial da Covid-19, que vem sendo usado desde o fim do convênio com o governo estadual em agosto.

Eldiney Alcântara